quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Deus Cornífero


O Deus realmente é deixado de lado muitas vezes nos cultos pagãos, como se a energia da deusa pedisse essa dedicação exclusiva. Isto é verdade em parte, porque, não é possível cultuar o Deus adequadamente enquanto não mergulharmos na deusa e nos despirmos do Deus do patriarcado.
Quando no curso de nosso caminho - e isso demora até anos (mas varia muito de pessoa para pessoa) - está na hora do Deus voltar, a própria deusa nos mostra seu filho, consorte, defensor, ancião. O Deus aparece, tríplice como a deusa.
O Deus jovem é, antes de tudo, a criança da promessa, a semente do sol no meio da escuridão. Depois, é o garoto do pólen, o fertilizador em sua face mais juvenil, e traz a energia da alegria de viver, o poder de se maravilhar ante as descobertas da vida, é o experimentador, a face mais sorridente do sol matinal.
Daí surge o Deus azul do amor, o rapaz que cresceu e chegou à adolescência e desabrocha em beleza e masculinidade, é o jovem Deus da primavera, percorre as florestas e acorda a natureza. Ele é o apaixonado, aquele que primeiro busca a deusa como a donzela e propicia o encontro... Ele é o deus da sedução ainda inocente, que não conhece os mistérios da senhora ainda... Ele é toda possibilidade.
Depois ele é o galhudo e o green man... O Deus é o macho na sua plenitude, o senhor dos chifres que desbancou o gamo-rei anterior, ele é força e poder, músculos e vitalidade, ele cheira a sexo e promessas. Ele é o grande amante, atraído irresistivelmente pela senhora ele é o provedor, o sustentador, o senhor defensor. Ele é o senhor das coisas selvagens, o Deus da dança da vida, o falo ereto, o fertilizador. como green man ele também é o senhor da terra e sua abundância, o parceiro da senhora dos grãos. o senhor dos brotos, aquele que cuida dos frutos e os distribui pela terra.
Mas o Deus é também o trapaceiro, o senhor da embriaguez, o desafiador e o ancião da justiça. ele nos faz seguir um caminho e nos perdemos para conhecer o pânico de pan... ele nos deixa loucos como Dionísio, ou perdidos nos devaneios de Neptuno... ele é o desafiador, seja nos duelos, seja na guerra, na luta pela sobrevivência... ele é caprichoso e insidioso, ele nos engana, nos deixa desesperados e sorri - porque esse é seu papel; estimular o novo, mostrar que nosso desespero é inútil e só nos escraviza...
Como a deusa, ele está na fome e no fim da fome, na vida e na doença terminal, na luz e na sombra, no que é bom para você e no que é mau... a deusa nunca está só, ela tem sua contraparte masculina e, no entanto, ele só existe por amor a ela... alias, todos nós somos fruto dessa dança de amor. o Deus é o ancião sábio, o distribuidor da justiça, seja a que se impõe com sabedoria ou raios... ele conhece os segredos dos oráculos, mas sabe que são dela... ele é o repositório do conhecimento, mas a sabedoria é dela... ele lê os sinais da natureza, mas sabe que quem os escreve é ela.
E o velho sábio vai murchando e se transforma no senhor da morte... ele que é o senhor de dois mundos, pois no ventre dela, de volta, ele vive sua morte e a própria ressurreição. mistério e segredo, morte e retorno, ele é o que atravessa os portais dos quais ela é a senhora. ele, o caçador, que também faz o papel de ceifador... ele que ronda o leito dos moribundos e dança a dança da morte. o senhor dos esqueletos.
Ele que na dança da morte retoma o brilho do sol e sua face negra se ilumina, em uma explosão impossível de conter, e Lugh nasce outra vez...
Ele que é pai, filho, bebê iluminado, amante selvagem, sábio educador... ele, o Deus que se revela apenas pela deusa.

Um comentário:

Anna Cristina disse...

Maravilhosa exposicão, como sempre, amiga querida! reportei-me ao qe há de + interior de minha fé e instinto espiritual! Lindo! Adorei de verdade!!! Que Deuses e Deusas sempre iluminem tua versão das coisas para que possas nos transmiti-las, como agora, na forma + lúdica e intensa que cada inspiracão te traz. Bjão e obrigada por + essa!